Vereador questiona Lei que propõe a distribuição de absorventes em Sombrio

21/07/2021

A Câmara de Vereadores de Sombrio, aprovou por unanimidade, na sessão do dia 15 de julho, o projeto Liberdade Feminina, enviado pelo executivo. A proposta da prefeitura contempla a distribuição de absorventes higiênicos para as mulheres em situação de vulnerabilidade social no município, iniciativa que teve como inspiração o projeto da vereadora criciumense, Giovana Mondardo (PCdoB). Em Sombrio, a prefeita Gislaine Cunha propõe a distribuição do item de higiene em escolas, postos de saúde e em cestas básicas, distribuídas pela secretaria de Ação Social do Município.


Durante a sessão que apreciou a pauta, enquanto os microfones estavam desligados, o vereador José Eraldo Soares, o Peri, (PP), sem saber que estava sendo gravado, disse:


“ – Dois projetos sem futuro. R$ 2,90 um absorvente.”
Uma mulher que não aparece no vídeo, retruca:
“ – Mas tem gente que não tem R$ 2,90.”
E ele continua:
“ – não, mas.. R$ 2,90… dá na cesta básica e não cria lei”.


Com os microfones ligados, o projeto foi aprovado por unanimidade.

Tentei contato por telefone com o vereador, mas as ligações caíram na caixa postal.

Um levantamento realizado pelo Unicef, apontou que mais de 4 milhões de meninas não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais.
Uma outra pesquisa feita em 2018, por uma marca de produtos de higiene íntima, mostrou que 22% das meninas de 12 a 14 anos no Brasil não têm acesso a produtos higiênicos adequados durante o período menstrual. A porcentagem sobe para 26% entre as adolescentes de 15 a 17 anos. Isso propicia a evasão escolar, fazendo com que cheguem a perder até 45 dias de aula a cada ano letivo.
Já no caso de mulheres adultas, a falta de acesso ao item básico de higiene, acarreta em problemas como faltar ao trabalho, além do uso de materiais não recomendados para conter o fluxo menstrual, como papel higiênico, entre outros.


Em outras cidades brasileiras, essa realidade vem mudando aos poucos. Em São Paulo, por exemplo, uma lei sancionada pelo prefeito Ricardo Nunes garante a distribuição de absorventes descartáveis às alunas matriculadas na rede municipal de ensino.


Ainda que possa parecer inacreditável que uma mulher não tenha condições de adquirir o produto, como fez crer a declaração do vereador, é importante ressaltar a quem tem o poder de mudar essa realidade, a necessidade de se abordar pautas dessa ordem. Mas mais do que abordar, é importante tirar do papel, fazer acontecer e engavetar a hipocrisia que, diferente dos absorventes higiênicos, vem sem embalagem individual.

Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Novidades no seu e-mail